Perdemos Gene Wilder, nosso eterno Willy Wonka

download (2)Morreu na noite de domingo (28), aos 83 anos, o ator americano Gene Wilder. Seu nome verdadeiro era  Jerome Silberman. Willy Wonka do musical infantil “A fantástica fábrica de chocolate”, de 1971, foi um dos mais marcantes em sua carreira. Gene Wilder morreu em casa, no estado de Connecticut, de complicações decorrentes da doença de Alzheimer.

Sempre fui uma apaixonada por seu trabalho. Não falo devido ao seu papel como Willy Wonka mas sim, pelas tardes que passei na minha infância assistindo aos seus filmes na tão famosa “Sessão da Tarde” rindo muito com o filme Surdos, Cegos e Loucos  (uma bela dobradinha com o ator Richard Pryor) e admirando seu personagem no longa  A dama de vermelho com sua cena clássica  do vestido no circulador de ar.

Saudades serão eternas daqueles que marcam nossas vidas!

 

 

Veja algumas de suas produções :

Dirigindo:

diretor

Atuando:

filmografia gene wilder

Roteirista:

roteirista

Dalai Lama – oceano de sabedoria.

“Uma mensagem simples, todavia extremamente difícil, um ensinamento monumental profundamente transformador e libertador.” Richard Gere

Com palavras que incentivam a reflexão sobre um entendimento ecumênico entre as nações, que incitam a bondade e a compaixão, o respeito ao próximo e a tudo o que nos cerca, esta obra, recém-lançada pela Editora Gaia, com prefácio do ator norte-americano Richard Gere, traz os dizeres do 14º Dalai Lama, líder espiritual e temporal do povo tibetano.

O livro apresenta fotos de Sua Santidade e seus fiéis em diversos lugares do Tibete. No final, 19 páginas de perguntas e respostas compiladas de numerosas palestras públicas e privadas de Dalai Lama, seminários acadêmicos, encontros particulares e conferências de imprensa.

Sua mensagem sobre a necessidade universal de bondade e consideração em todos os níveis das relações humanas, desde pessoa a pessoa até questões globais, transcende todas as fronteiras culturais e religiosas.

Lugar Nenhum – Neil Gaiman

Este  é o primeiro romance de Neil Gaiman, autor dos best-sellers Deuses Americanos (Conrad, 2004) e Filhos de Anansi (Conrad, 2006), e criador da revolucionária série de quadrinhos Sandman. Concebida originalmente como série de TV em seis capítulos, Lugar Nenhum foi transmitida pela rede inglesa BBC. A transformação em romance resultou em sucesso imediato, conduzindo a obra às listas de best-sellers do Los Angeles Times e do San Francisco Chronicle, entre outras.

Em ‘Lugar Nenhum’ Neil Gaiman conta a história de Richard Mayhew, um jovem escocês que vive uma vida normal em Londres. Tem um bom emprego e vai se casar com a mulher ideal. Uma noite, porém, ele encontra na rua uma misteriosa garota ferida e decide socorrê-la. Depois disso, parecer ter se tornado invisível para todas as outras pessoas. As poucas que notam sua presença não conseguem lembrar exatamente quem ele é. Sem emprego, noiva ou apartamento, é como se Richard não existisse mais. Pelo menos não nessa Londres. Sim, porque existe uma outra – a Londres-de-Baixo. Constituída de uma espécie de labirinto subterrâneo, entre canais de esgoto e estações de metrô abandonadas, essa outra Londres é povoada por monstros, monges, assassinos, nobres, párias e decaídos – e é para lá que Richard vai.

Você conhece uma webcomic? Então se apaixone por Bear, de Bianca Pinheiro.

Sem título3Webcomics, ou quadrinhos on-line, ou ainda web comics, são quadrinhos cuja publicação é veiculada exclusivamente pela Internet, apesar de existirem muitos quadrinhos consagrados à moda tradicional que são disponibilizados de forma digital. Bianca Pinheiro Cristaldi da Silva é uma quadrinhista, ilustradora brasileira e  criadora da webcomic Bear.

Bianca é radicada em Curitiba, formou-se em Artes Gráficas pela UTFPR. Fez pós-graduação em Histórias em Quadrinhos pela Opet. Começou a publicar webcomics em 2012.

Sinopse : A pequena Raven tem um problema: de algum modo ela conseguiu se perder de seus pais e de seu lar. Em sua busca, ela se depara com um urso marrom (ou seria alaranjado?) que, apesar de rabugento, aceita ajudá-la nessa empreitada. A jornada desses dois acaba de começar.

Sem título4

Cheia de graciosidade, Bear ganhou o coração de muitos  na web. Em minha opinião, mesmo tendo todo seu jeitinho para o publico infantil, Bear tem uma temática para o público adulto, proporcionando  reflexões muito interessantes.

Veja abaixo o testemunhal da autora e se você gostou, vá ao site e acompanhe esta webcomic.

site: Bear

Poesia: Acerto de Contas – Thiago de Mello

download

Amadeu Thiago de Mello é um poeta e tradutor brasileiro. Natural do Estado do Amazonas, é um dos poetas mais influentes e respeitados no país, reconhecido como um ícone da literatura regional.

Sua poesia ressalta os dramas e os desafios de seu tempo. Quando estreou em 1951 aos 26 anos com o livro Silêncio e palavra, conquistou a opinião pública e os críticos de sua época.

Eu fui capaz de uma coisa muito importante pra minha vida, antes de qualquer influência literária. Passava para o quinto ano de medicina, quando decidi enfrentar a sério a opção que se colocava dentro de mim, desde o segundo ano entre a literatura e a ciência. Eu optei pela literatura, o que entristeceu muito meu pai.

Muitas pessoas importantes cruzaram o caminho deste poeta ajudando-o na divulgação de seus escritos como Pablo Neruda,  Waldir Martins Fontes, Zé Lins entre outros.  Tem obras traduzidas para mais de trinta idiomas. Preso durante a ditadura (1964-1985), exilou-se no Chile, encontrando em Pablo Neruda um amigo e colaborador. Um traduziu a obra do outro e Neruda escreveu ensaios sobre o amigo.

“Misturando prosa e poesia, crônica e até anúncio imobiliário, o amazonense de Barreirinha, o cidadão do mundo, o personagem de nossa época, o poeta de A Canção do Amor Armado penetra na memória, obtendo a síntese do urbano e do telúrico, do lírico e do social. Comprometido com a sua terra e com a sua gente, de uma vez por todas Thiago de Mello assume a expressão de um poeta verdadeiramente universal.”
(CARLOS HEITOR CONY)

Ao longo de sua vida travou combates, enfrentou o exílio, morou na Argentina, Chile, Portugal, França, Alemanha. Com o fim do regime militar, voltou à sua cidade natal, Barreirinha, onde vive até hoje.  São poesias que trazem uma reflexão profunda, sentimental..

Já fiz mais do que podia
Nem sei como foi que fiz.
Muita vez nem quis a vida
a vida foi quem me quis.

Para me ter como servo?
Para acender um tição
na frágua da indiferença?
Para abrir um coração

no fosso da inteligência?
Não sei, nunca vou saber.
Sei que de tanto me ter,
acabei amando a vida.

Vida que anda por um fio,
diz quem sabe. Pode andar,
contanto (vida é milagre)
que bem cumprido o meu fio.

 

O Código Elfico – Leonel Caldela

 

capa-blog2Autor brasileiro,   que fez uma bela mistura de literatura fantástica, aventura, ficção científica em seus trabalhos, onde  o mito e a fantasia se misturam em um só.

Leonel Caldela nasceu em  06/10/1979 em Porto Alegre – Rio Grande do Sul.  É autor da Trilogia da Tormenta, série de romances de RPG , O Caçador de Apóstolos, Deus Máquina e O Código Élfico, livros de universos próprios,  e também a trilogia A Lenda de Ruff Ghanor, inspirado no podcast Especial RPG criado pelo site Jovem Nerd.

Leonel também escreve, edita e traduz livros de RPG pra editora Jambô.

É considerado um dos maiores ou maior nome atual da literatura fantástica nacional ganhando o título de “Bernard Cornwell brasileiro” pelo escritor Eduardo Spohr.  Leonel se declara influenciado por autores como Rubem Fonseca, Bernard Cornwell e Philip Roth

Curiosidade: Raphael Draccon é seu editor.

A Editora Fantasy é a responsável pelos seus projetos, todos os livros possuem uma apresentação gráfica de primeiríssima qualidade. A primeira boa impressão que temos do livro é a capa, sem dúvida, muito bem elaborada com uma diagramação muito caprichada.

downloadNarrado em terceira pessoa , a trama ambienta-se na cidade de Santo Ossário, que é fictícia, e que se encontra em uma região remota do Brasil, sendo famosa por duas questões:

  • Pelo seu festival de cinema;
  • Os eventos bizarros ocorridos na cidade, muitos anos antes do momento em que a narração da estória começa.

Seremos apresentados  aos dois personagens principais da trama: Nicole, uma das sobreviventes aos acontecimentos noticiados em todo o país acontecidos há muito em Santo Ossário, conhecida como a “Rainha das conspirações“; e Astarte, príncipe dos elfos de Arcádia, isolado dos seus entes queridos até terminar por completo seu treinamento de guerreiro.

As histórias dos dois mundos são contadas em paralelo, sendo-nos dado sinais sobre pontos de interseção entre os dois, sendo que o mistério por detrás da infância de Nicole e do isolamento de Astarte dos outros de sua espécie vão sendo progressivamente desvendados. Até o momento em que os dois, Nicole e Astarte, nosso universo e o de Arcádia, se tocam e se encontram.

Os dois protagonistas, juntamente com Félix, um ex militar em busca de respostas que ele nunca imaginaria serem respondidas por um elfo, irão enfrentar uma das maiores conspirações do planeta, para tentar salvar a terra de uma dominação arquitetada há milênios.

O livro é dividido em três partes:

  • Na história de Astarte;
  • Na história de Nicole;
  • Na jornada conjunta rumo a uma batalha épica pelo controle da vida no planeta como é conhecida, batalha ambientada na aparentemente pacata, mas sombria e perversa cidade de Santo Ossário.

Os personagens são profundos e complexos, e a jornada que são envolvidos é muito mais introspecta do que física. Existem resenhas que ressaltavam negativamente o prólogo (confuso não só pelo uso excessivo de descrição).

 

Um livro  que reúne aventura, ação, romance, cenas descritas de forma crua, relatando o horror, o mal presente dentro do ser humano, aliadas a uma descrição com toda a sutileza necessária para descrever a forma como todos os acontecimentos se confundem e complementam para chegar ao desfecho final – uma batalha épica e eletrizante.

Não existem diálogos simples. A escalada é retilínea.

Boa Leitura

Conheça os autores que ganharam o prêmio Nobel nos últimos 15 anos

downloadO Nobel de Literatura (em sueco: Nobelpriset i litteratur) é um prêmio literário concedido anualmente desde 1901. É atribuído a um autor de qualquer nacionalidade que, de acordo com as palavras do próprio Alfred Nobel, criador da distinção, tenha produzido, através do campo literário, o mais magnífico trabalho em uma direção ideal (originalmente do sueco: den som inom litteraturen har producerat det utmärktaste i idealisk riktning). O “trabalho” referido aqui significa, para Nobel, a obra inteira desse escritor, seus principais livros, sua mentalidade, seu estilo e suas filosofias, não distinguindo uma obra em particular.

A Academia Sueca é quem escolhe esse escritor e o anuncia no começo do mês de outubro de cada ano. Para muitos, é esse o maior e mais distinto prêmio que um escritor ou uma escritora pode receber dentro do ramo da literatura.

O prémio/prêmio é por vezes consensual e por vezes polêmico, já que muitos consideram que tem ignorado autores mundialmente reconhecidos. Alguns especialistas assinalam que grandes autores clássicos do século XX não receberam o prémio. Segundo David Remnick, director da revista The New Yorker, escritores como Marcel Proust, James Joyce ou Vladimir Nabokov deveriam ter recebido a distinção.

Críticos literários como Emmanuel Carballo e Sergio Nudelstejer juntam a esta lista os nomes de Franz Kafka ou Jorge Luis Borges. Adolfo Castañón inclui ainda Julio Cortázar e Juan Carlos Onetti. Kjell Espmark, membro da Academia Sueca, indica numa obra sua mais nomes omitidos como Liev Tolstói, Émile Zola, Henrik Ibsen ou Paul Valéry, para mencionar apenas alguns.

Dois dos galardoados com o prêmio recusaram-no: Boris Pasternak (1958), por forte pressão do governo soviético, e Jean-Paul Sartre (1964), que alegou que a sua aceitação implicaria perder a sua identidade de filósofo.
Conheça outros vencedores do prêmio Nobel dos últimos 15 anos:

2016 : O prêmio ainda não foi definido, mas o Brasil tem uma candidata!! A escritora Ligya Fagundes Telles.

2015: Svetlana Alexievich, 67 anos, foi a eleita pela Academia Sueca. – Ela inaugura um novo gênero literário, entre o jornalismo e a ficção – sugeriu a crítica. Ganhou pelos seus escritos polifônicos,um monumento ao sofrimento e coragem em nosso tempo.

2014: PATRICK MODIANO
O escritor francês conhecido por livros que abordam pela ficção as consequências da II Guerra Mundial, como Remissão da Pena e Flores da Ruína.

2013: ALICE MUNRO
A contista canadense constrói narrativas com densas personagens femininas. Tem diferentes títulos publicados no Brasil pela Biblioteca Azul e pela Cia das Letras.

2012: MO YAN
Os livros do escritor chinês fundem realidade, contos populares e ficção fantástica. Neste mês, seu romance As Rãs foi lançado no Brasil.

2011: TOMAS TRANSTRÖMER
O poeta sueco, que morreu em março, tem sua obra traduzida para mais de 50 países, mas ainda não chegou ao mercado editorial do país.

2010: MARIO VARGAS LLOSA
Jornalista e escritor peruano, tem mais de 40 títulos publicados, entre ficção e ensaio. Destacam-se romances como A Guerra do Fim do Mundo.

2009: HERTA MÜLLER
Escritora alemã conhecida pelos relatos sobre a Romênia comunista de Nicolae Ceausescu, como A Raposa Já Era o Caçador.

2008: JEAN-MARIE GUSTAVE LE CLÉZIO
O autor francomauriciano tem mais de 40 obras publicadas, entre contos, romances e ensaios. Um dos destaques é Refrão da Fome, romance que aborda a Europa sob o nazismo.

2007: DORIS LESSING
Considerada pela Academia Sueca como uma “contadora épica da experiência feminina”, a escritora britânica morreu em 2013, e tem vários títulos publicados no Brasil.

2006: ORHAN PAMUK
Romancista turco, tem best-sellers internacionais como os romances Neve e O Livro Negro, nos quais aborda questões sociais e religiosas.

2005: HAROLD PINTER
Morto em 2008, o britânico tem importantes obras na dramaturgia e na prosa. É autor de A Volta ao Lar, peça dirigida no Brasil por Fernando Torres.

2004: ELFRIEDE JELINEK
A austríaca aborda temas contemporâneos como a violência na sociedade de consumo. No Brasil, publicou A Pianista e Desejo.

2003: J.M. COETZEE
Natural da África do Sul, publicou mais de 20 livros, muitos deles lançados no Brasil. As obras tratam de temas como violência, censura, opressão e exílio.

2002: IMRE KERTÉSZ
Autor de romances como Sem Destino e Liquidação, o escritor húngaro é conhecido por abordar a violência da II Guerra, da qual ele mesmo foi vítima.

2001: V.S. NAIPAUL
Nascido em Trinidad e Tobago, trabalhou na Inglaterra como jornalista. Tem vários livros publicados no país, abordando desde sua infância até temas contemporâneos.

2000: GAO XINGJIAN
O escritor chinês trabalha a realidade de seu país em romances e peças de teatro. No Brasil, publicou A Montanha da Alma, que está esgotado.

Fonte:http://zh.clicrbs.com.br/rs/entretenimento/noticia/2015/10/nobel-de-literatura-vai-para-a-jornalista-bielorrussa-svetlana-alexievich-4865468.html