A lenda de Su – Tiago Melo Andrade

capa_A Lenda de Su

Em Su ninguém sabia ler. A não ser o rei. Livros? A população nunca tinha visto um. Escolas? Também não existiam. Os motivos da ausência de meios que pudessem tornar acessível o conhecimento a todos eram desconhecidos da maioria dos habitantes que, em troca dos preciosos conselhos do monarca, arcavam com impostos altíssimos. Mas será que o rei era mesmo tão sábio?

“…algo pior poderia acontecer ao súdito se ele dissesse qualquer coisa errada; uma palavra mal pronunciada, um “s” a menos, já eram motivo para que o sábio submetesse o plebeu inculto a uma longa sucessão de humilhações, reduzindo-o a nada.”

Vaidoso, certamente. Em determinado momento da história, deixa isso ainda mais evidente ao chamar o maior artesão da região, Krasso, para lhe fazer uma encomenda: uma estátua de ouro maciço em sua própria homenagem, que deveria ser erguida na praça central da sede do reino. O trabalho encheu de alegria o coração de Krasso – afinal, ele seria muito bem remunerado pelo serviço. No entanto, enquanto executava a obra, de dentro do palácio real, o artesão percebeu contrastes significativos entre a realidade da população de Su e a que o rei desfrutava.

“..A única fonte de conhecimento de que Krasso tinha ouvido falar eram os livros, mas nunca vira um sequer em toda a sua vida. Se ele os visse, nem os reconheceria.”

Tomado por uma grande revolta, Krasso matutou sobre como o soberano havia conseguido acumular tanto conhecimento. Foi então que se lembrou que a única fonte de saber de que tinha ouvido falar eram os livros. Quis procurá-los, mas esbarrou num problema: ele nunca, sequer, tinha visto um! Esperto, Krasso teve uma ideia. Ao terminar a escultura, cutucou a vaidade do rei dizendo que, para a obra ficar completa, ainda faltava um item que fizesse menção direta a toda sabedoria do líder de Su. “Um livro!”, sugeriu o monarca que providenciou um exemplar e entregou para o escultor ter como referência. Pronto. Agora Krasso já saberia o que procurar!

download (2)Para aumentar seu tempo de permanência no palácio – e, com isso, elevar as chances de encontrar outros livros – Krasso lança a ideia: “e se fizéssemos uma estátua ainda maior?”. O rei aceita a oferta sem pestanejar. Só que Krasso não sabia ler, o que continuava tornando a missão difícil… Recordou-se, então, de um eremita que havia sido banido do reino de Su e foi ter com ele. Ele sabia ler…

Krasso já estava desistindo de sua busca por conhecimento enquanto fazia a segunda estátua dentro do castelo quando, finalmente, dá de cara com os livros. E em lugar totalmente inusitado…

Sobre o autor
download (3)Nascido em São José do Rio Preto (SP) Tiago de Melo Andrade mora em Uberaba (MG). Estudou História, formou-se em Direito, começou a publicar e já aos vinte e dois anos, isto é, em 2001, ganhava o prestigioso Prêmio Jabuti como Autor Revelação. É autor de mais de duas dezenas de livros dirigidos ao público infantojuvenil . Publicou, pela Editora Melhoramentos, O Ovo do Elefante, Gabi e o Tesouro do Oriente, Gabi em Busca da Paz, Tire o Pé do Meu Direito e Carne Quebrada. Seus livros integram também os acervos da Fundação nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: